“BATE PAPO COM REGINALDO LEME” TV GLOBO

Sequência de palestras “encontros esportivos ACEESP” começa com Reginaldo Leme e casa cheia 

“Um furo é resultado de atenção, dedicação e sensibilidade” disse o detentor de um das maiores revelações da história da Fórmula 1.

São Paulo, 4 de março de 2013 – A sede da ACEESP recebeu na noite de 2a feira lotação máxima para a primeira de um ciclo de (por enquanto) 10 palestras da série “encontros esportivos ACEESP 2013” .

Estudantes de Jornalismo, Jornalistas famosos, Diretores da ACEESP durante 2 horas e meia, escutaram as histórias de Reginaldo Leme com seus mais de 40 anos de Profissão, sua identificação profunda com o Automobilismo e sua capacidade de gerar furos jornalísticos. “Antes de tudo é preciso gostar muito do que você faz e eu, até hoje, na maioria das vezes em que entro em um autódromo, ao escutar o ronco dos motores, fico arrepiado” disse Reginaldo que arrancou aplausos e boas risadas da plateia ao falar dos detalhes da F1 que viu crescer de uma simples Sala de Imprensa com 90 jornalistas para um centro nervoso frequentado por mais de 1000 jornalistas atualmente. Mas não foi só F1, Reginaldo contou do seu início cobrindo futebol “adoro todos os esportes, quando posso ligo duas, três TVs e assisto tudo de uma rodada de futebol” e da sua intenção de ainda escrever um livro contando sua trajetória. “Esse meu Anuário de Automobilismo é uma tradição, mas é uma publicação mais técnica, preciso encontrar tempo para escrever alguma coisa bem pessoal.”

“Sou São Paulino, mas comecei no Estadão cobrindo o Palmeiras da época de Rubens Minelli de quem me tornei muito amigo” explicou Reginaldo que, desde que deixou o Estadão em 1979, trabalha na Rede Globo. “Só tive duas casas na minha vida o jornal Estado de São Paulo e a Rede Globo de Televisão, onde comecei depois de um convite para comentar um jogo de futebol pela Rádio Globo. Na F1 comecei em 1972 e tive a felicidade de começar com o pé direito cobrindo o primeiro Campeonato Mundial de Pilotos do Brasil, o título de Emerson Fittipaldi, outro grande amigo, uma pessoa magnânima.” resumiu o Jornalista que falou da sua relação e amizade de tantos anos com Galvão Bueno e a mais recente com Luciano Burti, seus companheiros de cabine na transmissão da F1.

“Sobre o meu furo mundial, como vocês colocaram, a história toda do caso Nelsinho Piquet, Flávio Briatore, foi o resultado da minha amizade com o Piquet pai, da confiança que ele tem em mim, da sensibilidade que tive em detectar uma frase que ele disse para um grupo grande e da persistência para  aguentar calado e sofrendo sozinho até  que a história fosse confirmada. Foi difícil, mas valeu” encerrou.

Luiz Ademar Presidente da ACEESP ao lado de seu vice-presidente Erick Castelhero, felizes com o resultado da primeira palestra,  ainda contaram com o reforço de um outro diretor da ACEESP, o premiadíssimo jornalista Vital Battaglia vencedor de dez prêmios Esso de jornalismo, tanto na área esportiva (coberturas das copas de 1978 e 1986) como fora dela, no caso do primeiro transplante de coração da América Latina (1967) .

A sequência dos encontros esportivos ACEESP, organizada pela Tracto e promovida pela MMKT Sports Marketing segue no próximo dia 28 de março com a presença de Odinei Ribeiro, locutor do SporTV.

 

Fotos: Adilson Gomes