CINEFOOT MULHERES vai reunir filmes e grandes nomes que contam a história do futebol feminino

 

 

Festival tem edição inédita sobre mulheres no futebol. CINEFOOT MULHERES vai reunir filmes e grandes nomes que contam a história do futebol feminino.

 

Mostra, que inclui debates, masterclass, seminário e podcast, acontece em

novembro e será toda gratuita e online

Tem mulher no futebol, sim: o CINEFOOT MULHERES adentra ao gramado em 2020 para destacar a presença feminina no audiovisual, com a edição especial sobre a história do futebol feminino. O festival – que inclui filmes, debates, masterclass, seminário e podcast – faz parte do  CINEfoot – Festival de Cinema de Futebol e é pioneiro no circuito mundial de festivais de cinema esportivo, reafirmando sua característica de vanguarda .

Cinefoot Mulheres conta com os apoios principais do Museu do Futebol e da Onu Mulheres.

 

A programação vai de 5 a 8 de novembro e será toda online e gratuita. Serão 9 sessões de quatro países – Brasil, Nepal, Itália e Suécia – na plataforma de transmissão https://www.looke.com.br . Haverá lives de Abertura (05/11), Encerramento (08/11) e duas mesas transmitidas ao vivo pelos canais do Museu do Futebol: https://www.youtube.com/museudofutebolspaulo. Ao todo serão 16 filmes exibidos sobre futebol de mulheres..

 

O CINEFOOT MULHERES nasce num momento de intensa mobilização de atletas, treinadoras, gestoras, instituições, lideranças e profissionais de diversas áreas, por respeito, valorização, visibilidade, democracia, representatividade, equidade, investimentos e estrutura sólida para o desenvolvimento sustentável do futebol praticado por mulheres no Brasil.

 

“O Museu do Futebol apoia o CINEfoot desde sua primeira edição, e é incrível participar agora do nascimento de um festival dedicado ao futebol feminino. A modalidade é uma causa nossa, porque o futebol é o maior exemplo de como operam as estruturas machistas na nossa sociedade, e desconstruir isso passa pela cultura”, afirma Marília Bonas, diretora técnica do Museu do Futebol. No ano passado, o Museu realizou a exposição “CONTRA-ATAQUE! As Mulheres do Futebol”, mostrando a história da modalidade e trazendo à luz o período de 1941 a 1979 quando o futebol feminino foi proibido por Lei no Brasil.

 

Nesta edição especial sobre a história do futebol feminino, o CINEFOOT MULHERES conta com a participação da ONU Mulheres, que desde 2015, trabalha em parceria com o Comitê Olímpico Internacional para promover o empoderamento das mulheres e meninas por meio do esporte no Brasil, com o programa Uma Vitória Leva à Outra. Em nível global, coordena a iniciativa Esportes para a Geração Igualdade, que convoca agentes do ecossistema de esportes para se unir a uma coalizão poderosa em direção à igualdade nos esportes.

 

“É com muito orgulho que a ONU Mulheres faz parcerias com o mundo dos esportes no enfrentamento das desigualdades, combate à violência contra meninas e mulheres, falta de investimento direcionado e reprodução de estereótipos negativos e normas sociais. Nos últimos anos, o esporte demonstrou sua enorme capacidade de impulsionar o empoderamento de mulheres e meninas. Mobilizou as diversas comunidades e dialogou com a juventude. Uniu barreiras raciais e étnicas e diferenças culturais. Além disso, ensina às mulheres e meninas os valores do trabalho em equipe, autoconfiança e resiliência; tem um efeito multiplicador sobre sua saúde, educação e desenvolvimento de liderança; contribui para a autoestima, constrói conexões sociais e desafia normas prejudiciais”, ressalta Anastasia Divinskaya, representante da ONU Mulheres Brasil.

 

A ONU Mulheres acredita que muitos agentes do ecossistema esportivo estão fazendo avanços significativos para promover a igualdade. “Organizações estão desenvolvendo seu esporte no nível de base para mulheres e meninas com implementação de estratégias de igualdade, aumento da participação das mulheres na liderança e em todos os níveis da profissão, alocação de recursos para esportes femininos e mais cobertura da mídia”, completa Divinskaya.

 

Reconhecimento da história das mulheres no futebol

 

“O direito à igualdade, à compreensão das diferenças, mais a necessidade de reconhecer a importância do papel e da luta feminina na sociedade, torna-se presente cada vez mais, e assim entendemos da importância do Cinefoot Mulheres nessa construção, nesse projeto de valorização e reconhecimento da história de tantas mulheres que lutaram e que lutam pelo futebol no país”, afirma a diretora do CINEFOOT MULHERES  Daniela Fernandes.

 

A historiadora Aira Bonfim, que integra o projeto, é uma pesquisadora que resgata a verdadeira história do futebol no Brasil. Ela ajudou a implementar o Centro de Referência do Futebol Brasileiro, em São Paulo, dedicado à pesquisa e gestão de acervos. Para ela, o  CineFoot Mulheres é um indicativo da experiência cultural ocupando o ambiente esportivo. “Para conceber uma curadoria de produções audiovisuais a respeito do futebol de mulheres, essas duas áreas se reconheceram e produziram materiais que são reveladores da cultura futebolística brasileira e  inclusive internacional, com quantidade e qualidade”. diz Aira.

 

“É pensar que as mulheres ocuparam esse debate, elas não foram convidadas. Mas, transgrediram um ambiente que é machista, que é misógino. E de alguma forma estão contando histórias, que por vezes não foram reveladas ao longo dos mais de 100 anos do futebol no país e agora podem falar a linguagem do cinema”, celebra. “Podem contar histórias não contadas, que é o caso das memórias mineiras reveladas pela edição do CineFoot Mulheres do ano de 2020”, aponta a pesquisadora.

 

Confira algumas das convidadas que participam da programação:

Cristiane Rozeira – a maior artilheira do futebol feminino na história dos Jogos Olímpicos

Aline Pellegrino – ex-jogadora de seleção brasileira e responsável pela coordenação de competições femininas da Confederação Brasileira de Futebol(CBF)

Lina Chamie – graduada e mestre em música e filosofia pela New York University, EUA. dirigiu diversos longas-metragens sobre futebol.

Aira Bonfim – pesquisadora que resgata a verdadeira história do futebol no Brasil, ajudou a implementar Centro de Referência do Futebol Brasileiro

Lu Castro – jornalista especializada em futebol de mulheres

 Silvana Goellner – pesquisadora sobre gênero, esporte e futebol feminino

 Emily Lima –  Ex jogadora de seleção brasileira, foi a primeira mulher a ser Técnica da Seleção Brasileira de Futebol Feminino, é  atualmente Técnica de Seleção de Futebol Feminino do Equador.

EXIBIÇÕES:

LONGAS

Futebol para melhor ou para pior

Dir. Inger Molin  (Doc, 72 min, cor, HD, Suécia, 2017)   12 anos

O FC Rosengård é um dos melhores clubes de futebol feminino do mundo. Porém, enfrenta um ano dramático com vitórias e derrotas da equipe dentro e fora do campo. Nos bastidores, a pulsação da vida cotidiana em um local de trabalho como um clube de futebol profissional destacando a luta do clube para sobreviver em uma situação econômica difícil. Estrelando Marta e Therese Sjögran.

 Sunakali 

Dir. Bhojraj Bhat (Doc, 51min, cor, HD, Nepal, 2014)  12 anos

Mugu no oeste do Nepal é uma das regiões menos desenvolvidas do país. De acordo com o Censo de 2011, 90% das mulheres em Mugu são analfabetas. Contra este duro porém belo cenário da região, Sunakali é um documentário edificante sobre a equipe de futebol feminino de Mugu e sua jornada no campeonato nacional.

Minas do Futebol

Dir. Yugo Hattori  (Doc, 50 min, cor, digital, SP, 2017)  livre

Quando meninas ganham um campeonato masculino contra grandes times como o Corinthians e o São Paulo e isso é apenas o começo.

CURTAS

Paçoca – Ela Só queria jogar futebol 

Dir. Cláudio Constantino (Doc, 7min, cor, HD, MG, 2019) – 12 anos

O curta conta com o depoimento da ex jogadora do Galo, Bárbara da Silva Machado, também conhecida como Paçoca. Natural de Belo Horizonte ela atuou como volante e lateral. Começou sua carreira no Prointer e chegou ao Galo no início de 2019.

 Paixões

Dir. Larissa Kumpel  e Renan Damasceno (Doc, 10min, cor, HD, MG, 2017) – 12 anos

O futebol é o segredo da longevidade de Dona Zuzu, 82 anos, Salomé Silva, 83, e Ana Cândida, de 97, a Vovó do Galo. Três torcedoras símbolos do América, Cruzeiro e Atlético, respectivamente, pela primeira vez reunidas no principal palco do futebol mineiro, o gramado do Mineirão.

Pioneiras Futebol Clube

Dir. Renan Damasceno (Doc, 4min, cor, HD, MG, 2019)  12 anos

Webdocumentário mostra a história de um grupo de mulheres que desafiou a proibição e montou times de futebol feminino em 1968. A história ocorreu em Vespasiano, Minas Gerais. O futebol feminino foi proibido no Brasil por mais de 40 anos.

 O Time da Croa

Dir. Jorane Castro (Doc, 14 min, cor, HD, PA, 2012)  12 anos

No Nordeste do Pará, os pescadores que vivem na Praia de Ajuruteua, município de Braganca, são apaixonados por futebol. Eles levam tão à sério a paixão pelo esporte nacional que sempre embarcam com uma bola acomodada na proa do barco. Quando podem, eles encontram os parceiros de pescaria nas croas, como são chamados os bancos de areia naquela região, para um pelada. Ali, à maré baixa, eles jogam futebol, neste campo efêmero, criado pela natureza, antes de voltar para o mar aberto e enfrentar os desafios de mais uma pescaria.

Geral

Dir. Anna Azevedo  (Doc,  15min, cor, DVCam, RJ, 2010)  12 anos

O palco é a geral do estádio do Maracanã. Em cena, os torcedores conhecidos como geraldinos em espetáculo de êxtase, fúria, alegria e dor.

Radar, Um time uma nação

Douglas Lima e Jefferson Rodrigues (Doc, 25 min, cor, HD, RJ, 2019 ) 12 anos

Quando o futebol feminino foi autorizado no Brasil em 1979, um clube saiu da praia para dominar os campos e a modalidade na década de 80. O RADAR E.C. foi o precursor do futebol feminino no Brasil, encheu o Maracanã, e foi responsável pela formação da primeira Seleção Brasileira. Uma história apaixonante de um clube que representou uma nação.

Geração Peneiras

Dir: Bárbara Bárcia, Claudia Alves, Fernanda Prestes (Doc, 12 min, cor, HD, RJ, 2019) 12 anos.

O sonho de duas meninas que não medem esforços para um dia, quem sabe, vestir a “amarelinha”: a carioca Mariana da Silva, de 18 anos, revelação da primeira peneira feminina sub-17 da História do Flamengo; e a paranaense Kamile Pavarin, de 16 anos, jogadora sub-17 do Corinthians, um dos poucos times brasileiros que já contam com uma equipe feminina considerada de ponta.

 Louise

Dir. Amanda Gomes, Andressa Fernandes, Nathanael Cruz  (Ani, 5min, cor, HD, DF, 2018 ) 12 anos.

Durante brincadeira de futebol de rua entre quatro garotos a bola cai próxima de Louise e Bia. Juca corre para recuperá-la, percebe a habilidade das duas garotas e as convida para brincar. Iago não aceita a participação delas, mas Louise não quer ficar fora do jogo.

Tapete Verde

Dir. Angelo Martins ( Doc, 15 min, cor, HD, SP, 2013) livre. Jovens incentivados pelos pais, inspirados por grandes craques e uma menina que tenta quebrar os paradigmas machistas do esporte em busca do sonho de ser jogador(a) profissional de futebol. A partir da tradicional peneira e da rotina de uma das personagens, a obra discute a motivação do sonho dos jovens, fruto da hereditariedade do esporte mais praticado do Brasil.

 Dois pés esquerdos

Dir. Isabella Salvetti (Fic,  6 min, cor, HD, SP, 2015 Itália) livre.

Nos arredores de Roma, Mirko está jogando futebol com os amigos. Ele encontra Luana, sentada nas proximidades. Aos doze anos, os jovens se dão bem, mas uma terrível surpresa deixa Mirko sem fôlego. Luana sorri feliz pela primeira vez em sua vida.

NUNES F.C

Dir: Cristiano Fukuyama, Edson de Lima e Luiz Nascimento (Doc, 21 min, cor, HD, SP, 2019)   12 anos.

“Nunes FC” é um curta-metragem que traça a trajetória de uma família que, depois de décadas de suor, conseguiu cumprir seu objetivo e vive um sonho a cada apito do árbitro.

 Jogo Truncado

Dir. Caroline Neumann, Guilherme Agostini Cruz (Doc, 13min, Cor, HD,SP, 2016) 12 anos

No vocabulário do futebol, “jogo truncado” é usado quando uma partida está brigada. A palavra “truncado” também significa incompleto ou cortado. Nesse sentido, “Jogo truncado” discute a luta pela diversidade e respeito dentro do futebol brasileiro, a partir dos movimentos de torcedores contra a homofobia e o sexismo nos estádios.

 Eu, Jogadora – Um autorretrato do Futebol Feminino

Dir: Cristiano Fukuyama, Edson de Lima e Luiz Nascimento (Doc, 19 min, cor, HD, SP, 2017) livre.

O que pensa a primeira mulher a ter sido técnica da seleção brasileira de futebol feminino? O que sentem duas atletas olímpicas que abriram caminho para atual geração? E quais são os sonhos de duas revelações da modalidade?

 

MASTERCLASS

Consideramos que o esporte é uma ferramenta poderosa para o empoderamento de meninas e de mulheres.

Nossa Materclass conta com as seguintes palestrantes:

Cristiane Rozeira é a maior artilheira do futebol feminino na história dos Jogos Olímpicos: 14 gols. Nos Jogos Pan-americanos de Toronto 2015, a atacante também terminou como a maior goleadora da competição: sete gols. Em 2007, o vice-campeonato mundial e a conquista do ouro nos Jogos Pan-americanos a ajudaram a ser eleita a terceira melhor jogadora do mundo na eleição da Fifa.

*Acessibilidade libras

Lina Chamie  é graduada e mestre (Cum Laude) em música e filosofia pela New York University, EUA. dirigiu diversos longas-metragens, dentre eles os filmes: “Santos 100 Anos de Futebol Arte” (2012), filme oficial do centenário do Santos F. C.; “Santos de Todos os Gols” (2019), um filme metafísico sobre o momento do gol com o time que mais marcou gols na história do futebol mundial, venceu o Cinefoot 2019.

 

SEMINÁRIO MINEIRAS F.C.

Contribuindo para a reflexão e o debate em torno da cultura do futebol feminino, apresentamos o Seminário Mineiras F.C.

Mesa 1- A História do Futebol Feminino em Belo Horizonte/Brasil

Participantes:

Aira Bonfim, pesquisadora sobre a história do futebol no Brasil;

Luiza dos Anjos, pesquisadora (mediação);

Marina Mattos pesquisadora (mediação);

Lu Castro, jornalista especializada em futebol de mulheres.

Mesa 2- Desafios e possibilidades do Futebol Feminino na atualidade

Participantes:

Silvana Goellner – pesquisadora sobre gênero, esporte e futebol feminino(mediação);

Renata Lemos,  formada em História, com ênfase em futebol, política e gênero;

Aline Pellegrino, ex-jogadora de seleção brasileira e responsável pela coordenação de competições femininas da Confederação Brasileira de Futebol(CBF);

Emily Lima –  Ex jogadora de seleção brasileira, foi a primeira mulher a ser Técnica da Seleção Brasileira de Futebol Feminino, é  atualmente Técnica de Seleção de Futebol Feminino do Equador.

 

DEBATES AO  VIVO

 Mesa 3 – Onu Mulheres

Tema: Do impedimento ao banco: barreiras e exclusões das mulheres nos campos

Participantes:

Silvana Goellner, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (mediação);

Maria Carolina Ferracini, Gerente de Projetos da ONU Mulheres;

Jane Moura, Presidente da Empodera;

Dilma Mendes, Treinadora e atualmente Secretária de Esporte Lazer e Juventude de Camaçari;

Barbara Machado, Homenageada do Cinefoot Mulheres e ex Zagueira da equipe Feminina do Atlético Mineiro.

 

Mesa 4 – Esporte pela Democracia

Tema: Mulheres no esporte – Entre Carol Solberg e os silenciamentos seletivos

Participantes:

Aira Bonfim, pesquisadora sobre a história do futebol no Brasil (mediação);

Lu Castro, jornalista especializada em futebol de mulheres;

Paula Barreto, produtora audiovisual e membro do Esporte pela Democracia;

Vera Mossa, ex-jogadora da Seleção Brasileira de Vôlei e membro do Esporte pela Democracia;

Diana Mendes, coordenadora do Centro de Referência do Museu do Futebol.

 

CINEFOOT MULHERES em números

Filmes: 16 filmes

Publicação: 1 caderno de memórias bilíngue sobre a história do futebol feminino em Belo Horizonte.

Masterclass: 2

Seminário: 2

Mesas ao vivo: 2

Podcast: 7 episodios

Convidadas: 44 mulheres

Realizadoras: 11 realizadoras (de 3 países Brasil, Itália e Suécia)

Equipe: 22 mulheres + 7 homens

Serviço:

Cinefoot Mulheres

Data |05 a 08 de novembro (de quinta a domingo)

Programação online e gratuita

>>>www.cinefootw.art.br

PROGRAMAÇÃO COMPLETA

05/11

Quinta feira

19h ABERTURA – Cinefoot Mulheres (Canal do Museu do Futebol) ao vivo

20h SESSÃO 1 – Abertura:  Futebol para melhor ou para pior (LM Suécia)

_____________________________________________

06/11

Sexta feira

10h  SESSÃO 2 (Dente de Leite):  Tapete Verde (CM Brasil) + Louise (CM Brasil) + Dois Pés Esquerdos (CM Itália)

14h MESA ONU MULHERES – (Canal do Museu do Futebol) ao vivo

17h SESSÃO 3 (Navegar é preciso): Time da Croa (CM Brasil) +  Nunes FC (CM Brasil)

19h SESSÃO 4 (Ela faz História): Eu Jogadora (CM Brasil) + Geral (CM Brasil) + Radar, Um Time! Uma Nação! (CM Brasil)

21h SESSÃO 5: Minas do Futebol  (LM Brasil)

07/11

Sábado

14h SESSÃO 6 (Virando o Jogo) Geração Peneiras (CM Brasil) + Jogo Truncado (CM Brasil)

17h SESSÃO 7: Mostra Mineiras F.C.: Paixões (CM Brasil) + Paçoca (CM Brasil) + Pioneiras F.C.(CM Brasil)

19h MESA ESPORTE PELA DEMOCRACIA – “Mulheres no esporte – Entre Carol Solberg e os silenciamentos eletivos” (Canal do Museu do Futebol) ao vivo

___________________________________________

08/11

Domingo

10h SESSÃO 8 (Dente de Leite):  Tapete Verde (CM Brasil) + Louise (CM Brasil) + Dois Pés Esquerdos (CM Itália)

18h ENCERRAMENTO/HOMENAGENS (Canal do Museu do Futebol) ao vivo (Canal do Museu do Futebol) ao vivo

19h SESSÃO 9 – Encerramento: SUNAKALI (LM Nepal)

OBS. Cada sessão ficará disponível por 24h. LM Longa-metragem CM Curta-metragem

Podcast Cinefoot Mulheres – Mineiras F.C. disponível nos principais tocadores

Caderno de Memórias – disponível para download

 

 

Link para fotos:

https://drive.google.com/drive/folders/1Tbe1XIurPS2a8pVLwpKTdNxmAdcDGLRe

 

 

O Cinefoot Mulheres conta com a Parceria Estratégica: Museu do Futebol;  Parceria Cultural: Dibradoras, Ludopédio, Acervo da Bola, Vitrine do Futebol Feminino; Apoio Institucional: Onu Mulheres, Fórum dos Festivais, Esporte pela Democracia, Mais Mulheres; Parceria Internacional: Ficts; Correalização: Mascote, Conexão Cultural, Ibefest; Realização: Le Petit. Projeto Cinefoot Mulheres, aprovado na Política de Fomento à Cultura da cidade de Belo Horizonte.  

 

ASSESSORIA DE IMPRENSA:

Ângela Azevedo: (31) 99114-7229  angela@noir.com.br e Sandra Nascimento (31) 99776 0141 naonda.assessoria@gmail.com